2/29/2004 11:55:22 PM

Fui lá nas Motherns e pesquei descaradamente essa linsta de IN/OUT

ai está a lista das coias que minha filha mais ama e mais detesta no mundo.

IN

.Discovery Kids

.A cama dos pais de manhãzinha

.Qualquer coisa que a gente esteja comendo

.Uma joaninha esporrenta que ela ganhou de natal

.Sentar lá fora brincando com as pedrinhas

.Brincar com os cachorros e a gata (embora a gata não ache tão legal assim)

.O computador da mamãe

.Celulares, controles remotos e toda sorte de objetos que acendam luzinhas ou façam barulhinhos.

OUT

.Tomar mel para tirar o catarro

.Limpar ou assoar o nariz

.Sair do banho

.Pentear e prender o cabelo (puxou a mãe)

Anúncios

2/29/2004 11:26:58 PM

mesmo detestando o carnaval com suas derivações musicais de gosto duvidoso, minha santa casa sucumbiu ao mais nefasto efeito desse bacanal Momesco:

A gripe

Já diria o artista plástico Calazans Neto que gripe não é doença, é desmoralização.

No domingo passado fomos almoçar na casa de uns amigos e meu digníssimo resolveu se juntar com os rapazes para “bater um baba”. No comecinho da noite, tirei a temperatura de Júlia e descobri que a pequena estava com febre. Busquei Nando no futebol e fomos pra casa cuidar de nossa filha… Quando fomos assistir ao Fantástico, banhados e com Jú, deviamente medicada, noto uma laranja arroxeada crescendo no tornozelo de Fernando.

Depois de muito latim convenci o cabeça-dura de irmos ao hospital dar uma olhada “naquilo”.

Na segunda-feira eu acordo em uma casa sem empregada, uma filha querendo brincar, um marido de perna engessada e uma barrigona enorme de 7 meses de gravidez! Depois de horas para ajeitar tudo, deixando a casa minimamente aceitável coloquei os dois no carro e fui pro sítio da União encontrar com os amigos (e o apoio que eu precisava).

Nando já dava sinais de começo de uma gripe, sentindo dor de cabeça e corpo mole, mas mesmo assim ele resistia galhardamente. Terça-feira a babá voltou mas em compensação meu marido já estava bem baqueadinho.

A quarta foi miserável pra ele, a gripe chegou chegando e o bichinho caiu de cama.

Na quinta eu começava a dar mostras de que a minha vez estava chegando… Passei o dia meio caidinha, mas mesmo assim consegui fazer as coisas básicas do day-by-day. De noite foi que o bicho pegou: sentia calor, depois um frio insuportável, dor de cabeça, dor de coluna, uma tosse de cachorro magro (daquelas que queima a garganta) e falta de ar – como diria a Gargamel, ninguem merece! Gente foi uma noite bizarra, eu pensei que ia morrer!

Na sexta-feira eu apelei mesmo! chamei minha mãe pra vir cuidar da gente. A babá de Júlia também caiu nos braços da gripe foi embora mais cedo, tirando sua folga no sábado.

Minha querida mamãezinha deu a maior força, comprou remedinhos, fez chá de limão com pitanga, passou Vichy Vaporub em mim (que nem a mãe da propaganda) e cuidou da netinha. Foi maravilhosa…

Hoje já estamos todos bem melhor. Entre mortos e feridos, nos salvamos todos.

2/16/2004 09:43:52 AM

Voltando ao assunto

Eu já tinha desistido desse BBB, tinha resolvido não escrever mais sobre ele e deixá-lo no ostracismo, por que nunca vi tanta gente chata e desinteressante. Mas tendo em vista esse novo paredão, não posso me calar. A Dos Infernos e a frentista Bobeleza. Eu quero votar pra saírem as duas, pode? Iria amar tirar aquele sorrisinho imbecil do rosto da frentista, mas se é pra escolher uma, que saia primeiro a Cascavel Infernal, com toda sua falsidade. Cês viram ela chorando ontem? ¿Depois da Globo, passa mais 20 minutos ao vivo no Multishow.

Aliás, alguém pode me esclarecer uma coisa: o Fortão finalmente comeu ou não comeu a Gargamel? A Mãe adolescente sugeriu que sim outro dia desses e como a Globo levou uma bronca por mostrar a transa daquele outro casal no BBB passado, mostrou timidamente o edredon.

Então ficam 2 perguntas que não querem calar: o que sai desse cruzamento? Onde está o Cruel?

2/11/2004 01:04:04 PM

Meu computador está morrendo. É uma verdade dura de admitir mas o bichinho tá estrebuchando e ameaçando entrar em coma a qualquer momento. Basta eu ligar o pobrezinho e ele me dá a mensagem: ¿este computador executou uma operação ilegal e será desligado¿. Preciso com urgência comprar um HD novo pra ele. Depois instalo o uindous xispê, corro atrás de uma internet rápida e pronto: meus problemas acabaram, certo? Errado: vai faltar descobrir como pagar todas as contas no final do mês. Com esses gastos extras meu orçamento vai estourar em muito.

2/11/2004 01:03:27 PM

Estou sozinha em casa. Tem muito tempo que eu não sei o que é isso, ouvir os passarinhos cantando no jardim, ter meus cachorros deitados no pé e eu aqui: sem marido, sem filha, sem empregada… Que sensação maravilhosa!

Tá bom, eu assumo: sou um pouco individualista mesmo (Nando às vezes acha que é egoísmo). Mas pra quem gosta de escrever, de ler e de assistir filmes sem interrupções esses momentos de sossego são sagrados, preciosos e devem ser aproveitados ao máximo. Pra ficar melhor ainda, só se eu desligasse o telefone, mas meu instinto materno não permite tal luxo (tenho que estar disponível pra qualquer imprevisto).

O Nome da Festa é Nunca Mais

parte 1


Os preparativos

Ontem foi o primeiro aniversário de Júlia eu, mãe inexperiente, resolvi fazer uma festinha aqui em casa. Uma coisa pequena, apenas para os amigos mais chegados e com filhos pequenos. Pedi algumas doações (principalmente a minha mãe) comprei o que faltava, fiz umas mini-pizzas com Ana Rita, docinhos diversos, uma salada de frutas, suco de manga do meu quintal e pronto.

parte 2

Recebendo os amigos

Como todo mundo já deve imaginar, quando começaram a chegar os primeiros amigos, eu ainda estava imunda, suada, dando os retoques finais pra ficar tudo bonito e arrumadinho. Terminei o último laço e corri pro banheiro para fazer uma bonita exposição da minha figura de mãe. Enquanto isso, Júlia tomava banho com a avó.

Sai do banho e para meu espamnto, minha casa estava repleta de pestinhas, digo crianças. Lembrei do meu amigo Inagaki, pois a única coisa que me vinha na cabeça eram os tais Gremlins molhados. Pra onde se olhasse o que dava para ver eram crianças ¿ muitas delas eu não sabia quem eram ¿ se comportando da pior forma possível.

parte 3

O arrependimento

Eu tive o desprazer de passar por 2 situações chatas. Ao lado da piscina tem a casa da bomba, subterrânea, com uma fina cobertura feita de alumínio (daquele que colocam no chão dos ônibus). Os desinfelizes dos meninos maiores estavam ¿brincando¿ de pular nessa tampa, fazendo um esporro danado, se sujeitando a quebrar a porra da cobertura e cair num buraco de 3 metros. Os pais, vendo a situação, deixavam os demoniozinhos a vontade e nenhum deles chegou para repreender sua cria. Sobrou pra mim, cansada de 2 dias de trabalho árduo, com um barrigão de 6 meses a tarefa de pedir educadamente às crianças que parassem com aquilo. Vocês pensam que adiantou alguma coisa? Era eu falando e eles continuavam, sem me dar a menor atenção. Fiquei puta, falei grosso e ameacei de morte. Nesse momento apenas 1 mãe veio tirar o filho de lá. Todas as outras nem se moveram. Que raiva. Depois de penar um pouco e ameaçar muito, consegui acabar com aquilo.

parte 4

Herodes: um incompreendido

Antes do parabéns, apareceu um menino (doravante chamado de Anti-Cristo) que começou a pocar todas as bolas de encher do arranjo perto da mesa. Minha mãe que passava pelo local, educadamente chamou o AC e falou: – ô meu filhinho, não estoure as bolas não. Elas estão enfeitando.

Ao que o infeliz respondeu com grosseria: – Eu posso o que eu quiser.

Eu estava por perto e ao ouvir o pilantra, me meti na conversa (esse peste já estivera envolvido na brincadeira da bomba da piscina). Segurando no ombro do gorducho falei: – Não pode não. Aqui é minha casa, o aniversário é de minha filha e eu que mando nessa porra.

Vocês acreditam que o endeminiado apontou o garfo pra minha barriga, me olhou feio e ameaçou me furar? Eu olhei mais feio ainda pra ele, pensando: Se o filho da puta me fura, eu dou um chute tão forte nele, que o escroto vai parar na piscina. Gente me deu vontade de voar no pescoço do menino, dar uns 2 tapas pra ele tomar jeito de gente, descobrir quem eram os pais, que nem apareceram pra controlar a besta deles, e botar todo mundo pra fora. Eu estou revoltada até agora!

Se eu seguisse meus instintos e desse uma peia daquelas no Anti-Cristo, ai os pais apareceriam cheios de razão pra reclamar e me achar ruim, mas na hora de dar educação ao projeto de marginal, eles ficaram bem ausentes…

parte 5

Fim de festa

Quando a festa começou a esvaziar, eu finalmente consegui sentar um pouco e conversar com meus amigos (os mais persistentes, que agüentaram até o final). Tive alguns momentos prazeirosos. Júlia estava completamente elétrica, mortinha de sono, não se entregava de forma alguma. Às 11:00h, os últimos convidados, nossos compadres, foram pra casa e ficamos nós na maior bagunça do mundo, aliás a bagunça continua.