10/29/2006 09:31:02 PM

Peguei aqui ó:

Se sua vida fosse um filme, qual seria a trilha sonora?

Instruções

*Abra sua biblioteca de música (iTunes, Winamp, Media Player, iPod etc.)

*Coloque em modo aleatório (shuffle)

*Aperte o play

*Para o primeiro item, digite a música que está tocando

*Quando você for para o próximo item, avance para a próxima música

*Não minta, não distorça e não tente bancar o descolado(a) : ponha a música que está tocando MESMO.

Créditos iniciais

Mais Simples – Zizi possi

É sobre-humano amar

‘cê sabe muito bem

É sobre-humano amar, sentir,

Doer, gozar

Ser feliz

Vê quem sou eu quem te diz

Não fique triste assim

É soberano e está em ti querer até

Muito mais

A vida leva e traz

A vida faz e refaz

Será que quer achar

Sua expressão mais simples?

Mas deixa tudo e me chama

Eu gosto de te ter

Como se já não fosse a coisa mais humana

Esquecer

É sobre-humano viver

E como não seria

Sinto que fiz esta canção em parceria

Com você

A vida leva e traz

A vida faz e refaz

Será que quer achar

Sua expressão mais simples?


Um bom começo de filme, embora a melodia seja um pouco triste. A vida faz e refaz, não é mesmo?

Acordando

O Rei Pelé – Jackson do Pandeiro

Quem é aquele moço

Com a bola no pé

É o rei Pelé!


Fade in no meu quarto, vou aparecendo deitada numa cama enorme com meus 5 travesseiros, sozinha (meu marido acorda muito cedo) e o forrozinho de fundo, confundindo o expectador: será sonho dela, ou está tocando mesmo Jackson?

Primeiro dia de aula

O Tempo não para – Barão Vermelho

Disparo contra o sol

Sou forte, sou por acaso

Minha metralhadora cheia de mágoas

Eu sou um cara

Cansado de correr

Na direção contrária

Sem pódio de chegada ou beijo de namorada

Eu sou mais um cara

Mas se você achar

Que eu tô derrotado

Saiba que ainda estão rolando os dados

Porque o tempo, o tempo não pára


Clima de final dos anos 80, um tanto de rebeldia, um certo ar Blasé de quem acha que sabe das coisas, um jeans rasgado e uma camiseta do movimento anarquista italiano “Por uma escola livre, sem igreja e sem estado”.

Se apaixonando

Dormi mia Bella

Essa é uma música antiga, em vêneto, que não tenho idéia de como escrever a letra aqui sem pagar um king kong.


Cena romântica, até um pouco clichê. Um lençol estendido num areal, em frente a uma barraca de camping, uma maravilhosa lagoa deserta e transparente de fundo. Nós dois deitados, contando estrelas cadentes num céu perfeito, sem lua. Iluminados pelas estrelas

Música da briga

A Ema Gemeu – Lenine

A ema gemeu

No tronco do jurema

A ema gemeu

No tronco do jurema

Foi um sinal bem triste

Morena

Fiquei a imaginar:

Será que é nosso amor

Morena

Que vai se acabar?


Briga feia, babado fortissimo. Os dois tristes, mas fortes, sem dar o braço a torcer, enquanto a ema gemia.

Terminando tudo

A matadeira – Cordel do Fogo Encantado

A matadeira vem chegando

no alto da favela

no balanço da justiça

do seu criador


Imagem poética bacana, né?

Aproveitando a vida

Poeira – Cordel do Fogo Encantado

O pão que nasce do fogo

Na roda da saia

Na gira da terra

O vento que rasga telhado

Tambor ritmado

Trompetes de guerra

A guerra que traz a poeira

Que bate na gente

Poeira que vem do sertão

Configuração

Bafo quente


Traveling em slow motion pela Festa em Quadrinhos. Não essa coisa inflada que a gente vê hoje em dia, mas a genuina. A galera toda fantasiada, todo mundo doido. Árvores de pipoca doce e arbustos de pirulitos coloridos. Os Mundamundistas no palco. Eu, fantasiada de Moranguinho, dançava com o multi homem. A câmera passa mostrando os inusitados casais, namorando na grama e a turma animada. A Pedrita dava um beijo no Coringa, a Mulher¿Gato se agarrava com o Pelezinho, Olivia Palito bebia uma vodka no Gargalo enquanto a Rê Bordosa dançava enlouquecida na pista. A Câmera vai subindo e dando uma visão geral da festa, até que parece encontrar alguém. Desce rapidamente e foca em Wally. Sim amigos, nós encontramos Wally. Corta para os Dead Billys se preparando para entrar no palco e dá um fade out num palhaço de perna de pau

Formatura

O nosso mundo – Barão Vermelho

Se eu ainda soubesse

Como mudar o mundo

Se eu ainda pudesse

Saber um pouco de tudo

Eu voltaria atrás do tempo


Na alegria da noite, um ponto de desencanto. Medo do fim de um tempo bom, de irresponsabilidade, festas e farras. Deixando de ser ¿estudante¿ pra entrar na categoria “desempregada”. O olhar mais amadurecido, eu olho para toda a alegria da noite e dou um sorriso condescendente, de quem não pode mudar o mundo.

Caindo aos pedaços

Lá e Cá – Lenine

Mangueira, Ilê Aiê e viva o baticum

Quando a Padre Miguel encontra com Olodum

Caymmi com Noel, no Tom maior Jobim

A Penha, a Candelária, o Senhor do Bonfim

Irmão São Salvador e São Sebastião

Tamborim, berimbau na marcação

Pontal do Arpoador, final de Itapoã

Meninos do Pelô, da Flor do Amanhã


Despedida no aeroporto. Eu fui, mas um pedaço de mim ficou com ele, e um pedaço dele viajou comigo; mais precisamente na minha barriga, grávida de 6 meses.

Dirigindo

Pink Panther Theme – Paul Oakenfold

Instrumental


Cena leve e agradável. Eu, pegando a estrada vazia. Uma reta sem fim e eu dirigindo sozinha, com o som nas alturas. A imagem da estrada vai ficando difusa e vemos cores de caleidoscópio pelas janelas do carro, que agora está voando, bem longe da terra!

Flashback

Lá vem a Baiana – João Nogueira

La vem a baiana

de saia rodada

sandalia bordada

vem me convidar para sambar

mas eu nao vou

la vem a baiana

coberta de contas

pisando nas pontas

dizendo que eu sou o seu ioiô


Serenata. Ele com um pandeirinho, cantando pra mim, com seu amigo e fiel escudeiro, tocando o violão

Reatando o namoro

O Carimbador Maluco – CPM 22

5… 4… 3… 2…

– Parem! Esperem aí.

Onde é que vocês pensam que vão?

Plunct Plact Zum

Não vai a lugar nenhum!!


Um aviso dos Céus. Enquanto eu pensava em cair em tentação, a música aparece como um aviso divino: se não deu certo da outra vez, é claro que não vai dar agora! Eu digo não e saio de cena deixando-o sozinho e boquiaberto com a minha recusa. Corta para a cena do casamento

Casamento

Fat old sun – Pink Floyd

When that fat old sun in the sky is falling,

Summer evening birds are calling.

Summer’s thunder time of year,

The sound of music in my ears.

Distant bells,

New mown grass smells so sweet.

By the river holding hands,

Roll me up and lay me down.

And if you sit,

Don’t make a sound.

Pick your feet up off the ground.

And if you hear as the warm night falls

The silver sound from a time so strange,

Sing to me, sing to me.

When that fat old sun in the sky is falling,

Summer evening birds are calling.

Children’s laughter in my ears,

The last sunlight disappears.

And if you sit,

Don’t make a sound.

Pick your feet up off the ground.

And if you hear as the warm night falls

The silver sound from a time so strange,

Sing to me, sing to me.

When that fat old sun in the sky is falling,

Summer evening birds are calling.

Children’s laughter in my ears,

The last sunlight disappears.


A música é auto-explicativa. Cena de casamento típico, mas sem frescuras. Vestido bonito e simples e flores brancas enfeitando a igreja, iluminada no sol da manhã.

A véspera da Guerra

Amor meu grande amor – Barão Vermelho

Amor, meu grande amor, não chegue na hora marcada

Assim como as canções, como as paixões e as palavras

Me veja nos seus olhos, na minha cara lavada

Me venha sem saber se sou fogo ou se sou água

Amor, meu grande amor, me chegue assim bem de repente

Sem nome ou sobrenome, sem sentir o que não sente


Se pudesse mudar o intérprete, colocaria Ângela Rorô, enchendo tudo com sua emoção avassaladora. Enquanto arrumo a casa, pensamentos invadem a minha cabeça. Nosso pacto era sempre dizer a verdade. Onde foi que a gente se perdeu?

Batalha Final

Abertura do Castelo Ra-tim-bum

Bum Bum Bum

castelo

Bum Bum Bum

Um..cas…tééé…

Bumbumbumbumbumbumbum


No meio da briga, entram as crianças no quarto. (Inicia a música) Seus olhos e sorrisos, são a prova concreta de que tudo valeu e continua valendo a pena. Deitamos os 4 na cama enorme com os 6 travesseiros (5 meus e 1 dele) e começamos a brincar e cantar. War is over.

Momento de Triunfo

Por Você – Barão Vermelho

Por você eu dançaria tango no teto

Eu limparia os trilhos do metrô

Eu iria a pé do Rio a Salvador

Eu aceitaria a vida como ela é

Viajaria a prazo pro inferno

Eu tomaria banho gelado no inverno

Por você eu deixaria de beber

Por você eu ficaria rico num mês

Eu dormiria de meia pra virar burguês


Cena X-rated. Desistam que não vou descreve-la aqui.

Cena da morte

Baiano burro nasce morto – Gordurinha

Pau que nasce torto

Não tem jeito morre torto

Baiano burro

Garanto que nasce morto


Plágio descarado de 100 anos de solidão. Eu entro no sonho dos quartos infinitos, e em algum momento não consigo retornar. A trilha tira a carga de peso da cena, deixando apenas uma leve melancolia no ar.

Créditos Finais

Nossa Senhora da paz – Cordel do Fogo Encantado

Nossa Senhora da Paz

A bailarina do circo

Vem beijar a pele da cidade

As feridas

Os jardins

A pressão

E o motor

Nossa Senhora dos Sonhos

A trapezista do circo

Venha descansar na minha cama

Traga toda luz que há no céu

Traga toda luz que há no chão

Leva meu atalho e minha sorte

No movimento da rua

As feridas

Os jardins

A pressão

E o motor


Bonito final, né não?

PS- Isso é uma obra de ficção, qualquer semelhança com a realidade terá sido mera coincidência.

E aí: Quero ver a sua trilha agora!

10/26/2006 01:03:16 AM

Boas Recordações

Quem estava por aqui, em Salvador, em meados da década de 90, teve a oportunidade de conhecer os Mundamundistas. Um grupo muito legal, formado por uma galera do bem, super alto astral. Todo mundo lindo e especial.

Vendo este clipe, voltei no tempo… Fui à Festinhas em Quadrinhos, Festinhas lá em casa, lembrei de violões sendo tocados no alto da mangueira, uma época muito louca, muito bacana.

Não deixem de assistir Cacete Armado



As meninas babavam e os meninos morriam de inveja!

10/2/2006 12:19:54 PM

Marcelo, Marmelo e Martelo

Júlia – Mãe quem é Helê?

Eu – É aquela minha amiga do Rio, mãe da outra Júlia.

J – E quem era aquela menina que você tava falando no grupo 4?

E – É outra Júlia.

J – Por que tem um monte de Júlia?

E – Porque é um nome bonito. Eu coloquei em você por isso. Você não acha bonito?

J – Não.

E – Como você queria chamar?

J – Gabriela

E – Gabriela também é bonito…

J – É feio. Queria me chamar Céu.

E – Ta certo: agora vou te chamar de Céu.

J – É feio. Queria me chamar Grama.

E – Ta bom Grama…

J – Não. Meu nome vai ser folha.

E – Ok, Folha…

J – Eu quero que seja Pimentoca…

E – Gostei desse. Agora só vou te chamar Pimentoca.

J – E Cocô?

E – Prefiro Pimentoca.

J – Eu quero Cocô!!!!

E – Mas eu vou chamar de Pimentoca.

J – NÃO QUERO!

E – Mas EU quero. É Pimentoca e pronto!

J – Mas meu nome é JÚLIA. Entendeu? JU-LI-Á…

E – Então ta bom



Antônio – E meu nome é Jacaré!

Graças a Deus, chegamos em casa!

10/2/2006 12:18:01 PM

Elogio

Minha mãe, já sem nenhuma paciência, penteava o cabelinho de Juju, enquanto a neta pulava, dançava, corria e se mexia muito…

Vovó -Júlia, pare, senão eu não levo você comigo… que menina mais desobediente!

Aí a pequena parou, e passou sua mãozinhano rosto da avó de disparou carinhosamente…

-Você é a vovó mais velhinha de todas.



Eu quase caio de rir.