O caderno de receitas da Turma da Mônica.

Outro dia meu irmão me deu uma caixa de livros com várias publicações que ele considerou interessantes para Ju e Tom. Junto com a coleção, bem lá no fundo da caixa estava um caderno de receitas. Como a capa do caderninho era dos personagens da Turma da Mônica, acho que ele, numa vista rápida, pensou ser um livrinho infantil.

Abrindo o caderno me deparo com uma tocante dedicatória à minha avó Zélia e muitas (eu disse muitas) receitas escritas com letra caprichada. A maioria delas é de doces e salgados para festas (Tem de um tudo, desde clássicos para festinhas como cajuzinho e doce da uva, até uns acepipes que nunca ouvi falar. Você conhece um salgadinho chamado Boca de Lobo? E Rosas da Espanha, conhece?) Eu devo confessar que ainda não testei nenhuma receita,  mas achei o presente uma preciosidade.

Quero dividir uma receitinha com vocês. Quem fizer por favor me mande foto, tá?

Mãe Benta

Ingredientes:

6 ovos

350g de açucar fino
200g de fubá de arroz
150g de farinha de trigo
1 1/2 xic. de leite de côco
5 colheres de sopa de manteiga
Modo de fazer
Bata ligeiramente os ovos, junte o açucar batendo sempre, junte as farinhas e por último o leite de côco e a manteiga derretida. Asse em forno quente, em forma untada com farinha de trigo.

Não sei o tempo nem o ponto, mas não deve ser tão dificil assim de descobrir. Imagino que fique dourado por cima mas não acredito que o palito saia limpo. Quem testar, fotografe e me mande com comentários para que eu atualize aqui.

Bolinho de domingo

Sabe aquelas vontades que de vez em quando teimam em entrar na cabeça e de lá só saem depois de satisfeitas? Hoje eu tava no sofá, curtindo o final do domingo com a família, quando acendeu a luzinha do desejo… bolo integral de banana.

Levantei de um pulo, avisando: – Estou indo pra cozinha assar um bolinho. Júlia me seguiu oferecendo seu valoroso auxílio e juntas fizemos essa delícia que está na foto e que estamos comendo quente (sempre adorei bolo quente mas minha mãe dizia que dava dor de barriga e éramos forçados a esperar o dito cujo esfriar antes de atacar a iguaria, aqui em casa é liberado).

Quem quiser testar os dotes culinários, aproveite que é bem facinho e o resultado não decepciona.

Ingredientes:

3 bananas amassadas

3 ovos

1/2 xic. de óleo (usei de milho)

2/3 xic. de mel

2 xic. de farinha de trigo integral

1 colher de sopa de fermento

1 Colher de sopa de canela

Noz moscada (raspa um pouquinho ao seu gosto, se não quiser usar não tem problema)

Damasco seco picado (também opcional, eu tinha 3, em casa. Juju picou na tesoura e eles entraram na massa depois de batida, na hora de ir ao forno)

Modo de fazer:

Amasse a banana, misture na tigela da batedeira com os ovos e o óleo. quando estiver uniforme, adicione o mel, a farinha peneirada, a canela e a nós moscada. Bate tudo junto, coloca o fermento e bate mais um pouquinho.

O pulo-do-gato, que faz a gente comer gemendo é o recheio de açucar mascavo e nozes (não me pergunte se dá pra fazer com outra castanha, que eu nunca tentei). a receita dele é a seguinte:

1 colher de sopa de margarina

1/2 xic. de açucar mascavo

1 colher de sopa de farinha de trigo

1 pitada de sal

1/2 xic. de nozes picadas.

um pouquinho de mel pra dar consistência de cocada-puxa.

Coloque tudo numa panela e mexa até fazer uma calda grossa.

Despeje metade da massa do bolo numa forma untada e enfarinhada, coloque uma camada desse recheio, pique uma banana e jogue por cima e complete com a outra metade da massa.

No topo bote umas bananas pra enfeitar (eu usei a prata que é a que eu tenho em casa mas com banana d’água deve dar muito certo também) e leve no formo médio pré aquecido até o cheiro invadir a casa, faça o teste do palito, se sair limpo, já está no ponto.

Dá pra fazer também misturando as bananas com maçã sem casca, fica igualmente bom.

Imagem