6 de Agosto de 2001

jorge_amado (1)Eu saí do trabalho e passei em casa para buscar Fernando e Totó. O plano era irmos ao Araçá Azul (sítio recém comprado onde nos preparávamos para morar), levar material de limpeza. Na saída da rua Alagoinhas tocou meu celular. Era Rose, empregada de meus avós, avisando que meu avô tinha passado mal e acabado de ser levado ao Aliança. Voltei correndo para deixar meu cãozinho em casa e segui para o Hospital. Quando cheguei, encontrei meu Pai com Dôra, minha Tia Paloma, Tio James e Tia Lu e meu irmão, que estava chorando muito. Abracei todos e fui procurar minha avó que estava numa salinha de espera.

Jadelson Andrade, médico dos Velhos, chamou meu pai para conversar e naquele momento eu já sabia o que viria. Corri para o lado de D. Zélia, queria estar ali com ela, oferecendo todo meu amor naquele momento difícil. Era o melhor que eu podia fazer. Depois Jadelson foi até o lugar que estávamos, segurou as mãos de minha avó e contou que meu avô Jorge estava morto. D. Zélia, a pessoa mais forte que já conheci na vida, recebeu a notícia, uma das mais tristes de sua vida, chorou um pouco e continuou na saleta enquanto a imprensa começava a chegar ao hospital.

Meu pai foi resolver algumas questões práticas como a retirada do marca-passo e liberação do corpo enquanto nós, o resto da família, procuravamos dar algum conforto à nossa querida matriarca. Foi nesse momento que pela primeira vez eu disse pra minha avó, com o coração aberto, tudo que pensava dela.

Ela era (e sempre vai ser) a minha heroína. O grande exemplo a ser seguido. Uma mulher forte e doce, inteligente e guerreira que sempre buscou o otimismo como ferramenta para resolver as dificuldades que a vida apresenta. O amor deles dois era a maior referência de amor que eu conhecia. Tão lindo que parecia saído de um conto de fadas. Pra mim foi muito importante ter falado para ela tudo que eu sentia.

Depois fomos para casa dormir que o dia seguinte seria cheio e triste. Desde então o dia 6 de agosto passou a ser um marco pra mim. Ele marca o dia que a terra ficou um pouco menos alegre. O dia que meu avô se foi.

jorgezelia