Dia de São Valentim

Existem algumas teorias que explicam a origem desse dia e contam como o mártir romano se tornou o patrono dos apaixonados.

Na verdade as comemorações de 14 de fevereiro são mais antigas que o cristianismo e nasceram na Roma Antiga. Nessa data acontecia a Lupercália, festa em homenagem a deusa Juno, que era associada à fertilidade e ao casamento.

Até aí tudo certo, mas quem foi Valentim, e por que ele se tornou o patrono dos enamorados¿

Em meados do séc. III DC, o Imperador Romano Claudius II resolveu que homens solteiros eram melhores soldados, já que sem família com a qual se preocupar eles entravam de corpo e alma nas batalhas ocupando-se apenas em obedecer as ordens dadas.

O bispo Valentim, não concordando com tal proibição, violou o decreto imperial e além de continuar celebrando casamentos, casou-se secretamente. Alguém deu com a língua nos dentes e o sacerdote foi preso e condenado à morte.

Durante o tempo de sua prisão, Valentim recebeu muitas flores e bilhetes de pessoas que diziam ainda acreditar no amor. Enquanto aguardava o cumprimento da sua sentença, o bispo se apaixonou pela filha cega de um carcereiro e, milagrosamente, devolveu-lhe a visão. Antes da execução, em 14 de fevereiro, Valentim escreveu uma mensagem de adeus para a moça, na qual assinava como “seu Valentim”.

A história é bonita mas foi apenas em 496 DC., que o Papa Gelásio I decidiu instituir o dia 14 de fevereiro como o dia de São Valentim, para que a celebração cristã fagocitasse os cultos pagãos.

Imagem

Happy Valentine’s Day.

Uma música, duas tristezas

Hoje Nando acordou cantando “O Mundo é um moinho” e eu escutando, voltei no tempo até minha infância, vendo na radiola lá do Rio Vermelho o velho disco de Cartola girar.

Lembrei da lenda que circulava a boca pequena, lá em casa, de que a música tinha sido feita depois de o compositor descobrir que a filha (na verdade enteada, filha de D. Zica) que tinha recentemente saído de casa, estava se prostituindo. Ao saber dessa história a letra da canção se torna ainda mais triste, é o sofrimento de um pai, vendo sua cria escolher um mau caminho, tentando por meio da poesia dar um conselho.

O Mundo É Um Moinho

(Cartola)

 

Ainda é cedo amor

Mal começaste a conhecer a vida

Já anuncias a hora da partida

Sem saber mesmo o rumo que irás tomar

 

Preste atenção querida

Embora saiba que estás resolvida

Em cada esquina cai um pouco a tua vida

Em pouco tempo não serás mais o que és

 

Ouça-me bem amor

Preste atenção, o mundo é um moinho

Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos

Vai reduzir as ilusões à pó.

 

Preste atenção querida

De cada amor tu herdarás só o cinismo

Quando notares estás a beira do abismo

Abismo que cavaste com teus pés

 

Enquanto escrevia esse texto, a minha rádio-cabeça começou a tocar a versão de Cazuza nos anos 80 (gravação que faz alguns puristas torcerem o nariz  e eu acho linda e muitíssimo bem interpretada ). Quando lembramos a vida, as escolhas e os caminhos percorridos pelo cantor, vemos que os versos nesse caso também servem como uma luva, e como doem.

* Dei uma pesquisada aqui na web pra tentar saber se a história que eu tinha ouvido era verdadeira e encontrei algumas versões dessa lenda mas nada que confirmasse ou desmentisse nenhuma delas.