Campanha francesa contra a AIDS

Para os mais sensíveis, este VT pode parecer (e é) meio forte, mas o uso de desenhos de banheiros públicos para fazer essa propaganda ficou muito legal. Dependendo de onde seja veiculado (em canais pagos de conteúdo adulto, por exemplo) acredito que terá boa penetração (não resisti ao trocadilho) no público alvo e bastante recall.

A campanha é da unidade francesa da agência TBWA.

*a propósito: as xoxotinhas parecem baratas fugindo pelas paredes, né?

Melissa – A Balzaquiana

No ano de 1979, o Sr. Grendene, passeando pela Riviera Francesa, inspirou-se nas sandálias usadas pelos pescadores para criar as sandálias de plástico que instantaneamente se tornaram uma febre de consumo no Brasil.

Eu e todas as meninas, naquele ano, calçamos a famosa Melissa Aranha. Lembro do verão, na ilha de Itaparica, com os pés suados (cheios de lodinho preto) e a insistência de não mudar de calçado (jamais iria tirar minha Melissa do pé para ser trocar por uma Havaiana qualquer (lembre-se que isso é bem anterior à “fashionização” das havaianas, que nessa época eram azuis ou pretas com o solado branco).

Naquele final de ano foram lançados alguns novos modelos como a Melissa de Bolinhas (que eu amava) e Melissa Verão que era basicamente uma versão mais aberta da sandália e um pouco mais fresquinha (mas o lodo continuava deixando pretos os pezinhos suados).

O resto é história. No ano seguinte teve o lançamento da Melissa Zig-zag (lembro de um pedaço do jingle até hoje: “Todo mundo agora vai: zig-zag, zig-zag… vai andar de Zig-zag: zig-zag, zig-zag…” e a inclusão de numeração maior para o calçado o que aumentou a febre pelas Sandálias plásticas, agora usadas por mulheres e crianças.

O tempo passou e novos modelos foram aparecendo mas já não eram novidade e o público perdeu o interesse inicial pelo produto.

Em 86 uma campanha publicitária antológica, junto com um esquema de promoção de vendas casadas com brindes, voltou a alavancar as vendas da Melissa. Quem não lembra da série de comerciais da “Melissinha” que vem com pochetinha, com Relógio e com Maquiagem?

Ha uns poucos anos a marca redescobriu sua vocação fashion e passou a investir em parcerias com profissionais de várias áreas, como o estilista Alexandre Herchcovitch, o artista plástico Romero de Brito entre outros. Mais uma vez, Melissa conquistou o grande público e na comemoração de seus 25 anos, era totalmente hype. Hoje encontramos muitos modelos na praça. alguns fashionérrimos, com saltos enormes, pelinhos e cores vibrantes, outros mais simples mas uma coisa ninguém pode negar: a Melissa virou uma marca cara (hoje temos sandálias de 150 reais expostas em lojas de grife).

Semana retrasada encontrei uma “Melissa genérica”: achei a coisa mais fofa e resolvi comprar pra mim. Olhando mais de perto, percebi que também era feita pela Grendene, logo não era uma imitação e sim um lançamento da mesma marca. Uma linha de sandálias bem mais em conta, certamente para captar outros nichos do mercado. Hoje estou com minha Zaxy Friend AD, que me custou 40 reais e é muito lindinha, comemorando os 30 anos da irmã mais velha (e mais rica).